Descubra como ajudar uma pessoa com depressão | Clara Residencial

Autoestima baixa, tristeza e falta de energia são sintomas que podem surgir em qualquer etapa da vida. Quando esses sentimentos se intensificam na terceira idade, precisamos ficar mais atentos, já que os danos à saúde física e mental podem ser piores. Por falar nesse assunto, você sabe como ajudar uma pessoa com depressão?

É durante o envelhecimento que muitos idosos começam a olhar para trás e sentir saudade da juventude ou perceber a solidão chegando. Para lidar com a situação da melhor forma, é importante ter paciência, carinho e contar com o apoio de especialistas na área.

Neste artigo, vamos mostrar como ajudar uma pessoa com depressão na terceira idade. Boa leitura!

Afinal, como ajudar uma pessoa com depressão?

Quando vemos um ente querido sofrendo — principalmente o pai ou a mãe —, o primeiro pensamento que vem à mente é o que fazer para aliviar a sua dor. Afinal de contas, como ajudar uma pessoa com depressão?

Antes de tudo, você deve prestar atenção aos sinais para se certificar de que é esse o caso e buscar o melhor tratamento possível. Se o seu pai ou a sua mãe foi diagnosticado com a doença, lembre-se de que paciência é a chave para resolver tudo.

É importante, mais do que nunca, demonstrar carinho, compreensão e mostrar que você realmente quer ajudar. Abaixo, vamos compartilhar algumas dicas que podem fazer toda a diferença, devolvendo a felicidade aos idosos e a toda a família. Veja!

Converse com seus pais sobre saúde mental e física

Sabia que as conversas podem ser um bom caminho quando queremos ajudar alguém? Elas são ainda mais eficazes em momentos de depressão e tristeza profunda, pois ajudam a afastar o sentimento de solidão ou isolamento. Pergunte aos seus pais como eles se sentem, conte novidades sobre o seu dia e, acima de tudo, saiba ouvir.

Além da preocupação com a saúde mental, dê atenção à saúde física. Incentive-os a adotar bons hábitos por meio da prática regular de exercícios e uma alimentação saudável. Manter o corpo em movimento e cheio de nutrientes faz bem para a mente e gera mais disposição e energia.

Mantenha um vínculo de afeto, carinho e confiança

Como falamos no início do artigo, alguns gestos simples podem fazer toda a diferença no tratamento. É preciso afeto, carinho e confiança, além de bastante paciência e, sobretudo, disponibilidade para ouvir e passar parte do seu tempo com eles. Acompanhe-os a um passeio ao ar livre, vá ao cinema e ao supermercado. Mantê-los ativos é fundamental.

Fazer com que os idosos se sintam úteis em um momento em que pensam o contrário é um desafio diário. Pequenas atitudes podem ajudar, como pedir o auxílio em alguma atividade doméstica. Eles podem ser, também, a companhia certa para ver um filme ou um seriado na TV. Insira seus pais na rotina diária e em pequenas tarefas produtivas.

Envolva toda a família no processo de ajuda

Quanto mais pessoas próximas envolvidas, mais acolhidos se sentem os idosos. O apoio de toda a família é essencial para o bem-estar e para fortalecer os laços e oferecer mais qualidade de vida a eles. Sem contar que afasta o sentimento de solidão ou abandono.

Por isso, incentive a participação da família. Com a ajuda de todos, reorganize a rotina e proponha atividades que evitem ao máximo a presença dos seus pais na cama. Dessa forma, a tristeza vai embora, abrindo caminho novamente para momentos de felicidade.

Procure ajuda de um geriatra ou psicogeriatra

Se o apoio familiar não é o suficiente para alegrar os idosos ou a saúde requer cuidados especiais, busque ajuda de profissionais experientes e qualificados. Antes de tudo, leia sobre a depressão, bem como suas causas e sinais de alerta. Quando estiver a par da doença e dos sintomas que mais afligem seus pais, é hora de contar com o apoio de um geriatra ou psicogeriatra.

Lembre-se de que tomar as rédeas do melhor caminho a seguir também é uma forma de tratar a depressão. Logo, é importante conscientizar os seus pais sobre a doença, porém, o tratamento não deve ser forçado. Cabe a eles a decisão. Por fim, não deixe de acompanhá-los durante as consultas, principalmente quando pedirem ajuda.

Ofereça uma temporada nos residenciais seniores

Você já conhece a modalidade de residência para a terceira idade? Um residencial sênior funciona como um apart-hotel, com toda a retaguarda médica para atender às necessidades dos seus pais. O serviço oferece, também, um calendário cheio de atividades como:

  • hidroginástica;
  • passeios culturais;
  • grupo de teatro e dança sênior;
  • estudos de filosofia e literatura;
  • jogos de raciocínio e de conhecimentos gerais;
  • yoga, pilates, meditação, tai chi chuan etc.

Diferente das casas de repouso tradicionais, em um residencial sênior, seus pais têm assistência integral e especializada 24 horas por dia. Além disso, a infraestrutura é moderna e conta com uma equipe multidisciplinar treinada. Há três modalidades: residência (o idoso vive no local), temporada (passa um curto período) e Sênior Day (reside um único dia no espaço).

Socialização

Outro diferencial dos residenciais é o estímulo ao convívio social, que acontece em todos os momentos. Desde a participação nas atividades propostas até a hora dos passeios, dos estudos ou durante as refeições. Afinal, a socialização contribui para um envelhecimento mais saudável e feliz.

Como avaliar se os idosos precisam de atenção?

Nem sempre é fácil saber como ajudar uma pessoa com depressão. A doença requer cuidados, em especial na terceira idade, uma etapa da vida em que o emocional pode oscilar bastante.

Por isso, a melhor forma de avaliar se os idosos precisam de uma atenção especializada é entender como eles se sentem. Avalie o estado de saúde (físico ou mental), as condições financeira ou social (se moram sozinhos) e a falta de companhia (solidão).

É importante conscientizá-los sobre a doença e entender suas motivações. Coloque-se à disposição para conversar a qualquer momento e, principalmente, para ouvir. Se necessário, dê um tempo só para eles. Muitas vezes, é disso que eles precisam para poder seguir os próximos passos.

Em um momento como esse, os residenciais podem ser boas opções, principalmente pela possibilidade de passar uma temporada e, quem sabe, esticar e transformar o lugar em uma residência oficial, com todo o acompanhamento médico necessário. Uma dica é sugerir uma visita por meio do Sênior Day para ver como eles se sentem.

Esperamos que as nossas dicas ajudem a mostrar o caminho sobre como ajudar uma pessoa com depressão. Ao entender os sintomas, conversar e oferecer todo o suporte, é uma questão de tempo para que você e seus pais encontrem a melhor solução. Contar com tratamento médico humanizado e uma infraestrutura moderna pode trazer muitos benefícios e auxiliar no tratamento, transformando a tristeza em momentos de felicidade.

O artigo foi útil e importante? Compartilhe as nossas recomendações nas redes sociais e espalhe a mensagem! Você pode estar ajudando um idoso que precisa de atenção.